NOTÍCIAS

22.02.2018
Evite cair no golpe do protesto


 

Evite cair no golpe do protesto

Falta de informação é usada por golpistas para extorquir dinheiro de vítimas

 

 

O desconhecimento, ou mesmo afobação das pessoas para resolver um problema repentino, são um prato cheio para a aplicação de golpes. Dentre eles, o mais comum é fazer acreditar que a pessoa está com um título de protesto em aberto e que, se não pagar, ficará com o “nome sujo”. Segundo o Instituto de Protesto - Seção Pernambuco (IEPTB-PE), entidade que representa os Cartórios de Protesto no Estado, o golpista telefona para a vítima, passando-se por funcionário do Cartório ou dos correios, e avisa que a pessoa tem uma dívida prestes a ser protestada. O passo seguinte do golpe é levar a pessoa a depositar ou transferir o valor em uma conta bancária.

A Presidente do IEPTB-PE, Isabella Falangola, explica que cartórios de protesto não intimam os devedores por telefone ou e-mail, e sim a partir de carta com Aviso de Recebimento (AR). “Essa intimação é feita por funcionário do cartório, empresa terceirizada ou pelos correios. Em não tendo sucesso na localização do devedor por uma dessas formas, o devedor será intimado por edital, isto é, pelo jornal físico ou eletrônico”.

Quando a pessoa recebe uma intimação, ela tem até três dias úteis para se dirigir ao cartório no qual o título foi apontado para protesto e realizar a quitação da dívida. Durante esse período, o protesto ainda não foi efetivado. Porém, caso o devedor não procure o cartório para quitar a dívida dentro do prazo estabelecido, ocorrerá o protesto.

Antes de efetuar qualquer pagamento, a pessoa deve entrar em contato com o Cartório de Protesto, verificar se tem realmente título apontado para protesto e pedir orientação de como efetuar o pagamento, o qual pode ser diretamente no cartório ou através de boleto. A presidente do Instituto alerta: “Nunca ligue para os contatos fornecidos na ligação ou nos e-mails recebidos. Os contatos dos Cartórios de Protesto de Pernambuco podem ser encontrados no site do IEPTB-PE: http://www.ieptbpe.org.br ou em sites de busca”.  O site do Instituto permite ainda que, a partir do número do CPF ou CNPJ, a pessoa consulte de forma gratuita a existência de protestos em seu nome ou de sua empresa.