NOTÍCIAS

27.07.2018
Microempreendedor Individual (MEI) também pode aproveitar os benefícios do protesto




Alvará de funcionamento, pagamento de tributos, relacionamento com os clientes. O dia a dia de um Microempreendedor Individual (MEI) é cheio de percalços e compromissos, e ficar no pé de um comprador inadimplente não precisa ser mais um deles. O que fazer então para receber aquele valor que vai fazer toda a diferença no planejamento financeiro do negócio?

Uma alternativa é utilizar o protesto extrajudicial, também conhecido como protesto de títulos, que tem entre suas vantagens o elevado percentual de recuperação de crédito em curto espaço de tempo. Outros pontos positivos do protesto são o amparo legal, o que garante segurança à ferramenta, e a economia, uma vez que ela não demanda o pagamento de honorários advocatícios ou outros custos com o processo, como a justiça comum.

Além disso, enquanto o débito não for quitado, o devedor vai ser impedido de obter financiamentos e empréstimos financeiros; vai enfrentar restrições junto à agência bancária para a retirada de talões de cheques, cartões e empréstimos; e vai ter o CNPJ ou CPF inclusos em cadastros de proteção ao crédito. Basta comparecer ao cartório de protesto do município tendo em posse o documento que será protestado (cheque, contrato, confissão de dívida e outros). A relação completa de cartórios pode ser conferida no site www.ieptbpe.org.br

O QUE É O MEI – O Microempreendedor Individual (MEI) é o tipo de empresa que mais cresce no Brasil, superando o número de 7 milhões de empreendimentos cadastrados, de acordo com o Sebrae. Seu faturamento anual é de R$ 81.000,00 por ano ou R$ 6.750,00 por mês. O MEI não pode ter participação em outra empresa como sócio ou titular e deve ter, no máximo, um empregado contratato que receba o salário mínimo ou piso da categoria.